Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Hostel

A vida privada de cada um de nós compreende a sua intimidade, mas não se esgota nela. Afinal, como dizia a poetisa “Como se um grande amor cá nesta vida não fosse o mesmo amor de toda a gente!...”.

Hostel

A vida privada de cada um de nós compreende a sua intimidade, mas não se esgota nela. Afinal, como dizia a poetisa “Como se um grande amor cá nesta vida não fosse o mesmo amor de toda a gente!...”.

25
Set18

A tentação da "selfie"

Luisa Brito

DSC09997.JPG

 

Há pessoas que ficam bem em fotografias e há pessoas que ficam mal. Das primeiras, uma grande parte acha que fica mal. Das segundas, uma pequena parte acha que fica bem. Eu pertenço à maior parte das segundas. O que já não é mau de todo…. Pelo que, quando à enésima tentativa há uma que escapa, confesso que fico empolgada. E vem então a tentação da “selfie”, ainda que a “selfie” possa não ser realmente uma “selfie”… E agora com o mundo a um “click” sabemos que temos garantidos uns quantos “likes” de umas quantas almas: das que gostam de nós e estão “ceguinhas” por tamanho gostar e das que nem por isso, mas que põem “like” mesmo assim. E o nosso ego fica inflamado mas, geralmente, não dura muito, e até de cada vez parece que dura menos. Como quando, por vezes, compramos coisas para as pôr de parte mesmo antes de, efectivamente, as usufruir e partimos cada vez mais depressa para a próxima aquisição. Temos então a tentação de aumentar a parada, que é como quem diz, desatamos a tirar “selfies” em todo o lado e em todas as situações: concertos, paisagens, momentos de relaxamento e, eventualmente, mesmo em momentos menos públicos. Sacrificamos assim a vivência interior de tais experiências à urgência da “publicação”, porque o ego é insaciável e nunca nos sentimos satisfeitos. E no entanto, de vez em quando ouvimos alguém dizer “Aquilo que recebi (ao dar) foi infinitamente maior do que aquilo que dei.” É que ao experimentar essa sensação de plenitude, ao contrário da sensação anterior, tem-se a certeza de que o caminho é por ali. O verdadeiro desprendimento não tem que ver com desinteresse, como poderemos ser levados a pensar, mas sim com dar na liberdade de não estar refém da retribuição. Dar porque sim! E sim é muito difícil. Mas da próxima vez que me assaltar a tentação da “selfie” perguntar-me-ei se é mesmo essencial. Se, só por essa vez, não poderei concentrar-me apenas na situação e desfrutar dela em pleno. Porque, se calhar, o essencial é mesmo invisível aos olhos…

3 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Luisa Brito

    Vão sim, Susaninha. Vejo-vos lá aos três muito fel...

  • Susana S

    Que maravilha professora ☺️ Tínhamos planeado ir a...

  • Luisa Brito

    Eu é que agradeço! Boas Férias também!Beijinhos.

  • Anónimo

    Muito giro professora, grata pela partilha. Contin...

  • Luisa Brito

    Muito obrigada Susaninha 🙏Já valeu a pena partilha...

Arquivo

    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D