Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Hostel

A vida privada de cada um de nós compreende a sua intimidade, mas não se esgota nela. Afinal, como dizia a poetisa “Como se um grande amor cá nesta vida não fosse o mesmo amor de toda a gente!...”.

Hostel

A vida privada de cada um de nós compreende a sua intimidade, mas não se esgota nela. Afinal, como dizia a poetisa “Como se um grande amor cá nesta vida não fosse o mesmo amor de toda a gente!...”.

19
Jan21

O jovem do semáforo

Luisa Brito

IMG_20201231_161005.jpg

 

A pandemia agravou tudo. Muitas das actividades que dependem diretamente do contacto entre as pessoas têm estado mais ou menos suspensas. A cultura é uma dessas áreas. Logo a cultura que é o alimento da alma… Quem já sobrevivia mal, sobrevive pior.

Costumo passar num semáforo que é um ponto de pedintes. Antes da pandemia, costumava estar por lá um homem que exibia as suas malformações de um jeito queixoso. Antes, já por lá tinham passado imigrantes Romenos. Não os vi mais. Desde que começou a pandemia, quem vejo por vezes é um jovem que, em vez de exibir malformações, exibe os seus dotes de malabarista (até com os carros, quando o sinal abre…) de um jeito solto e leve. Ao contrário de outros que nunca dão porque “é para comprar droga” ou porque “o Estado é que tem obrigação de cuidar destes casos”, eu pertenço àqueles que dão sempre “se pede, é porque pode menos do que eu”. A arrumadores, seja a quem for. Também já me tem acontecido ficarem a olhar com desdém para a minha contribuição e eu, nesse caso, ”olhe que é o que posso dar. Se não quer, dê cá que a mim dá-me muito jeito”. E não. Não dou nada que seja ofensivo para ninguém. Nesse caso, acho melhor não dar. E procuro acompanhar a minha contribuição com umas palavras, com um olhar de ânimo, porque acho que nem só de pão vive o Homem...

E com o jovem malabarista, igual. Deixei de o ver por uns tempos. Mas um dia destes, lá estava ele a fazer os seus malabarismos. O verde estava a cair e eu procurei na minha mala (de mulher…) qualquer ajuda. Com a precipitação e a minha falta de vista, acabei dando menos do que gostaria ou poderia. Mas ele faz sempre um sorriso tão bonito, com o seu olhar tão limpo, no seu rosto tão escurecido… E, entretanto, atrás de mim já se apitava e eu já ía a arrancar, mas não pude, porque da janela do carro da frente, que não andava, sai uma mão a agitar uma nota. O rapaz já distraído a desviar-se dos carros e eu a buzinar-lhe para lhe chamar a atenção para o sujeito da nota. Lá foi ele a correr. Ficou felicíssimo! E eu que fiquei com pena da minha contribuição não ter sido maior (caramba! Podia ter-me borrifado para a fila atrás de mim!), fiquei com o coração quentinho de ver a felicidade estampada no rosto e nas mãos do jovem malabarista agradecido. E fiquei a pensar como o exemplo, qualquer que ele seja, é contagiante. Se alguém nos indica o caminho certo, o caminho da solidariedade, alguns de nós seguem a pista. O Estado também somos todos nós. E se não mudámos a vida do jovem, mudámos pelo menos o seu ânimo naquela hora. E o retorno que tivemos foi mil vezes maior.

31 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Luisa Brito

    Talvez descontextualizada do resto da obra, a fras...

  • Anónimo

    Ou dito de outra forma, "ela não o amou, ela amava...

  • Luisa Brito

    Verdade!

  • Anónimo

    “As palavras proferidas pelo coração não têm língu...

  • Luisa Brito

    Pois, JM... Só mostra que ninguém conhece ninguém....

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D